Dead Nomads

17 maio

Tentando resolver uns lances pro @medullarock, eu conheci o Rubem. No msn, repentinamente e eu nem sabia com quem eu tava falando até ele me dizer: ‘Conhece Dead Nomads?’ E eu, que já tinha ouvido algumas vezes, lembrei logo da minha música preferida da banda, 1945. Claro que eu conhecia e na maior inocência disse que adorava a banda, aí ele me disse: ‘Eu sou o guitarrista’.
Eu… OO’  //emchoque *risos*
Na conversa vai, conversa vem, eu pedi uma entrevista. Ele se prontificou simpaticamente em trocar uma ideia comigo e cá está o prato feito. E deu pra notar toda a seriedade do trabalho deles, e ele ainda citou Medulla na entrevista *-* Fiquei feliz por ele ter gostado tanto da banda, visto que fui eu que apresentei a banda a ele. o/

Dead Nomads é a banda da vez, espero que curtam.
Um prato de hardcore com fortes pitadas de punk rock =]

Rubem (guitarra), Marcel (vocal), Tony (batera),  Demétrius (baixo) e Guilherme (guitarra)

A: Bom, primeiramente vamos voltar no tempo para podermos saber o começo da carreira de vocês. Como surgiu a banda e desde quando ela existe?
R: Bem, a banda surgiu da necessidade de criar nossas próprias músicas, pois fazíamos cover dos Ramones no ano de 1993. A gente queria fazer um som com as nossas características, só que com uma pitada de nossas influências do punk rock e rock`n` roll em geral. A dead Nomads surgiu em 1996.

A: 1996? É um longo caminho até aqui. Vocês faziam cover dos Ramones… Isso implica dizer que a Dead Nomads tem influências limpas do Punk Rock original?
R: Tem sim, muita mesmo, principalmente na primeira demo chamada de “Desolation”. Curtimos Ramones, Sex Pistols, Bad Religion, Inocentes, Toy Dolls, Television, Stooges, Rancid, Dead Kennedis entre tantas outras.

A: Uau, um ótimo currículo de bandas influenciadoras. Obviamente que a Dead Nomads por ser antiga tem influências anteriores, mas você acha que é possível encontrar nos dias de hoje bandas que façam tanta diferença no mundo musical do estilo rock como essas citadas por você fizeram/fazem?
R: Acho que sim. Tem muita banda legal surgindo aí como o Outona, Medulla  e outras veteranas como Dead Fish, Dance of Days, Aditive, Garage Fuzz. Espero que a mídia reconheça o trabalho de todas em breve.

A: Ahh, Medulla. Então você gostou mesmo do som dos caras né? Você acha que esse lance crítico que rola nas letras deles e de algumas outras bandas podem de certa forma ajudar o jovem a desenvolver uma opinião formada sobre assuntos de maior relevância longe da alienação provocada pela mídia em geral?
R: Claro que sim, pois através da cultura podemos conscientizar as pessoas e fazer com que elas formem uma opinião mais sensata sobre a realidade social. O dead Nomads também tem muitas letras que falam sobre os problemas sociais, tentando desmascarar a cultura de massa.

A: Isso mesmo. Eu já reparei que vocês se apegam ao conteúdo textual desse tipo. A minha música preferida de vocês, é 1945, letra que fala sobre uma das maiores catástrofes já ocorridas no mundo, o atentado de Hiroshima. Há algum motivo em especial para vocês terem escrito especificamente sobre esse assunto?
R: Pois é, é um tema bastante polêmico. A letra foi mais para mostrar que pessoas inocentes pagaram por uma conta que não deviam, mas que por uma disputa de poder e soberania, perderam suas vidas sem saber o real motivo e de uma maneira muito covarde e desumana. O gasto com a bomba de Hiroshima daria muito bem  para alimentar muitas pessoas pelo mundo e ajudar outros povos de várias maneiras.

A: Nos dias de hoje, sabemos que é um tanto difícil achar pessoas que tenham concepções formadas dessa forma ou que realmente se preocupem em pensar assim. E no mundo da música, a visão fica ainda mais distorcida. Musicalmente falando, hoje a maior parte das bandas fazem suas letras baseando-se em temas mais… Superficiais. O que você acha que causou essa decadência?
R: Acho que foi por que as bandas querem fazer uma letra de fácil assimilação para o público, mas acho que está faltando um pouco de ousadia e rebeldia do rock crítico e voltado mais para a reflexão. Os compositores deviam pensar mais nisso.
E também por que os produtores e gravadoras de massa querem algo que venda fácil, e só com uma linguagem de fácil assimilação consegue atingir o grande povão.

A: Que estilo musical o Dead Nomads se enquadra?
R: Punk rock com pitadas de Hard Core, surf Music, Hard Rock e rock`n`roll em geral.

A: Hoje na atualidade, o que você acha das bandas que vem surgindo nos estilos Emocore, Power Pop e derivados?
R: Não tenho nada contra, mas não faz muito meu estilo. Prefiro letras mais críticas que variem nos temas. Algumas bandas resumem muito suas letras somente a temas amorosos. E também não curto muito quando um estilo tá em moda. Prefiro visual mais simples como é o rock raiz. Acho que cada um escolhe seu visual, mas não curto muito roupas coloridas e nem maquiagem. Prefiro o básico e investir nas letras e no instrumental da música.

A: Vocês compõem em inglês também não é? Em sua opinião, é melhor compor em inglês ou em português?
R: Acho melhor em português, pois fica mais fácil o entendimento da mensagem. A gente começou cantando em inglês por que as primeiras músicas soavam melhor nesse idioma, e também por que tínhamos pretensão de morar em outros países, assim como o Sepultura fez. Com o tempo resolvemos fazer em português mesmo. As músicas em português do Trincando os Ossos num Dia de Cão foram bem aceitas pela mídia e pelo público.

A: Hoje já se tornou natural as pessoas gostarem mais de música internacional do que nacional. Porque você acha que a quantidade de gente que tem preferência por música nacional é tão baixa? Em sua opinião, o que leva as pessoas a não darem o devido valor a música brasileira?
R: Acho que falta mais apoio da mídia para as bandas mostrarem seu talento. Existem muita gente boa por esse Brasil a fora, mas que estão no anonimato. Os produtores precisam arriscar mais nos novos talentos. As pessoas também precisam comparecer mais aos shows de bandas locais e nacionais para valorizar a cena local. Seria um bom começo, pois se o artista começa a atrair um bom público, os produtores se interessam a produzi-los e colocá-los na mídia de massa.

A: Falando agora sobre a Dead Nomads. Depois de tanto tempo na estrada, vocês já fizeram shows em outros estados do país né? Onde vocês já tocaram?
R: Já tocamos em Brasília, Fortaleza, Sergipe, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas… E tivemos convites para São Paulo e Minas Gerais, Portugal e até EUA, mas faltou apoio para o transporte.

A: Porque você acha que corre esses lances de pouco apoio pra bandas under no estilo de vocês e talz?
R: Acho que é por que as bandas under ainda estão fazendo o seu público, então os produtores e empresários não veem como ter um retorno a curto prazo, pois eles querem investir na banda, mas querem  ter o retorno financeiro para a gravadora, pois eles são profissionais e precisam pagar os custos de levantar uma banda e também ter a sua recompensa por esse trabalho. A banda só chega para tocar e ganha o seu pagamento também pelo seu esforço sem se preocupar com detalhes de produção, o que é uma questão de profissionalismo.

A: Qual o maior sonho do Dead Nomads?
R: É ter seu trabalho reconhecido no mundo todo, sempre passando uma mensagem positiva para a galera.

A: Se vocês pudessem tocar com alguma banda/cantor, com que vocês gostariam de tocar?
R: Bad Religion, Ramones, Pennywise, NOFX, Ratos de Porão, são vários.

A: Qual a música que vocês mais gostam de tocar e por quê?
R: A gente adora tocar 1945, porque além de fazer a galera refletir sobre a tragédia de Hiroshima, ela deixa a galera instigada, passando muita energia pra gente… A adrenalina vai a mil por hora.

A: Eu imagino que essa música deve mesmo destruir no meio do show \m/
Tem alguma mensagem que você queira deixar pra galera que curte vocês, curte música em geral, algo assim?
R: Sim. A mensagem seria: uma cena forte só consegue sobreviver com a união de todos os interessados no processo cultural. O publico é o maior responsável pela sobrevivência de uma banda ou artista. O comparecimento da galera aos shows faz parte do processo, comprando os cd´s, camisas, pagando o ingresso, ou seja, prestigiando e estimulando a produção e a continuidade das coisas. Em caso contrário, a cena tende a morrer e todos ficarão chupando o dedo sem as bandas favoritas que se foram.

A: E aquela pergunta que eu sempre faço no final: Quem na banda é casado/enrolado/solteiro? Hahahahaha!
R: O baterista é noivo e o restante tem as suas namoradas.🙂

A: Cool. Pow cara, tipo, valeu mesmo a entrevista aí. Demorou um pouco, mas saiu. Isso que importa. Hahahahaha
Brigadão mesmo e muito sucesso aí pra vocês, tocar pra frente mesmo esse lance. ^^
R: Nós é que agradecemos, e pode contar com a Dead Nomads sempre. Valeu pela iniciativa de fazer as entrevistas com as bandas under para colocar no seu site. Ficamos muito gratos pela força. Vamos divulgar o seu site para que outras bandas tenham a mesma oportunidade de participar e de mostrar seus talentos. Com isso podemos revelar muita gente nova e antiga que faz um som legal e verdadeiro para todo o Brasil e pra o mundo também, pois a internet é um grande canal para esse link com a Globalização cultural.

Aew galera, fica mais uma dica aí, porque os caras manda muito bem.
Quer conferir?

http://www.myspace.com/deadnomads

http://www.fotolog.com.br/dead_nomads

Quer saber mais: Joga no google. Fui!   =***
@_amandagaldino

Terceira Edição

29 abr

Mais uma vez entre o vai e vem da internet, eu colei no fotolog do meninos do Terceira Edição e descolei uma entrevista com eles.
Em um chat animado no msn, com os 4 integrantes da banda, a conversa rendeu boas risadas e sempre simpáticos ao extremo, eles falaram sobre o começo da banda, o sucesso que estão alcançando agora, sua relação com os fãs e mais um monte de coisa.
Não perca de conferir e conhecer um pouco sobre essa banda que tem tudo pra fazer história!
Bora lá =]

Da esq. p/ dir. João  (Guitarra), Vinícius (Voz e Guitarra), Tiago (Baixo) e Guerra (Batera)

Amanda: Como começou a banda? A ideia inicial e o desenvolvimento do projeto e talz…
Guerra: A banda começou em 2003 com o intuito de fazer musica autoral. Todos nós eramos da mesma cidade (Recife-PE). Começamos meio que na brincadeira e logo começaram a surgir pessoas interessadas no nosso trabalho, que começou a crescer na cena local, e até em outros estados do Brasil.
Começamos então a levar a sério toda a história e a produzir mais os nossos trabalhos e shows, angariando cada vez mais público e mídia para a banda. Ficamos nas mais pedidas na transamérica Recife e a crescer cada vez mais até que resolvemos que para continuar no ritmo teriamos que nos mudar para São Paulo onde a cena Rock se destaca por espaço, mídia e pelo próprio público em si. Viemos pra o centro de tudo isso em busca do crescimento e da continuidade dele. Conseguimos muitas coisas aqui que nunca conseguiriamos em Recife. As coisas que acontecem aqui repercutem mais facilmente em todo mercado nacional.

Amanda: Eu tenho a banda no fotolog e no twitter e dá pra notar que já há uma quantidade boa de fãs que acompanham o trabalho de vocês. Como vocês lidam com os fãs? Como é a relação de vocês com eles?
Vinícius: Desde Recife que temos uma relação muito bacana com os fãs, princialmente com a turma do família 3e, com o tempo todos vão se conhecendo melhor e o carinho aumenta, digamos que nossa releção é de muito respeito. Somos sempre muito grato a todas as pessoas que acompanham nosso trabalho e tratamos os novos fãs como amigos que acabamos de fazer. Gostamos de nos manter sempre em contato com eles de saber o que eles estão achando do som, das artes. Em suma eles sempre nos dão um bom feedback do nosso trabalho. Creio que assim estreitamos cada vez mais a relação.

Amanda: Vocês fazem muita twittcam pro pessoal né? Eu mesma já acompanhei uma vez e achei super bacana porque você veem o que o pessoal quer e talz, e vão lá, tocam o que estão pedindo e conversam de boa. Vocês acreditam que essa é uma forma de aproximação e que esse contato com os fãs é importante pro trabalho de vocês?
João: Com toda certeza! A twitcam está se mostrando o melhor meio de interação entre a banda e as pessoas que querem nos acompanhar, já que nela a gente pode tocar e trocar ideias com todos ao mesmo tempo, fazendo assim uma interação geral entre banda e fans. E com certeza estaremos aperfeiçoando cada vez mais esse processo, inclusive fazendo twitcam dos nossos ensaios com alta qualidade digital.
Também estamos criando um novo processo enviando o sinal de áudio captado por uma interface de gravação via software de áudio para poder enviar um sinal totalmente digital e podendo assim, atingir uma qualidade incrível!

Amanda: Essa vai pra todos: Na opinião de vocês, qual a melhor coisa da fama e a pior?
Vinicius: Melhor – reconhecimento
Pior – inveja
Guerra: A melhor coisa da fama é que se você já é famoso é por que tá rolando alguma coisa bacana!!! Quer dizer que seu trabalho deu certo de alguma forma e tá dando frutos….A pior coisa é saber que muitas pessoas ficam prestando atenção em todas as suas atitudes, modo de se vestir, jeito de se expressar…TUDO. Isso é desconfortável.
João: Até agora com o resultado que atingimos, a fama tem trazido coisas boas demonstrando que as pessoas estão gostando e reconhecendo nosso trabalho. E logicamente, é isso que mais queremos! Quem sabe mais pra frente, ela poderá trazer coisas negativas neh?! Mas, até agora tudo bem!
Tiago: Hum, bem difícil responder essa pergunta porque até agora a Terceira Edição não chegou a um patamar de fama que chegue a incomodar, ou trazer algum beneficio. Mas no final concordo com as respostas dos meninos, falaram exatamente o que penso a respeito.

Amanda: Essa também é aquela geral: O que vocês ouvem? Bandas/cantores preferidos de vocês?
Guerra: Coldplay, Radiohead, The Killers, Strokes, Copeland, Muse, Pearl Jam, Beatles, Rolling Stones, Led Zepelin, entre outras…
Vinícius: Escuto PEARL JAM / RED HOT/ MUSE / RAGE AGAINST THE MACHINE / BEATLES p/ baralho / COLDPLAY
João: Além de bandas como as que Guerra citou, gosto muito de bandas instrumentais de jazz como por exemplo, Hiromi Uehara, Cosmosquad e milhares de outras, também gosto muito da cena Hard Rock anos 70, 80 e 90 como Bon Jovi, Guns N`Roses, Skid Row, Kiss etc… Yeah!! Rage Against é foda!!
Tiago: (silêncio e Tiago some da conversa)
Amanda: Muita coisa do que vocês colocaram aí é foda!
João: Quer que a gente coloque as influências da Terceira Edição em si??

Amanda: Eu ia pedir isso agora =]
Quais as influências do Terceira Edição? (Roubando meu trabalho) (risos)
Guerra: A Terceira Edição é influenciada por bandas como The Killers, Coldplay, Copeland, Muse, Strokes, Beatles, entre outras…Basicamente o novo rock inglês e o antigo. Coisas do Brasil entram sem pedir licença, vem da cultura de cada um, como por exemplo o mangue, que não está diretamente ligado ao nosso som mas sim à nossa cultura.

Amanda:
O que vocês ouvem de banda nacional? O que indicam pra galera que quer curtir coisa de qualidade?
Vinícius: Vez por outra estou ouvindo Vinícius e Tom, Roberto Carlos, Tim Maia, curto o Rappa, Gabriel o pensador, outro dia estava ouvindo Luiz Gonzaga com Klebinho da Volver, Lenine, indico Mamelungos(banda de Recife, muito boa), a própria Volver, Vivendo do Ócio, Sabonetes, Aerocirco, Rebobina, Los Porongas.

Amanda: Com quem cada um de vocês teria mais vontade de dividir o palco? (Banda/cantor/cantora, mas cada um só pode escolher um [a]. Hahahaha!)
Vinícius: Eddie Vedder
João: Bono Vox
Guerra: eu queria tocar com os Beatles só pra ser o que quer o impossivel!
Tiago: Bob Marley   (ressurgindo na conversa)
Amanda: Tiago tá vivo? (risos)
Vinícius: Ele fez um regime e acabou de sumir. (risos)
Amanda: (risos)
Vinícius: Tá com o Bob Marley. (mais risos)
Amanda: Tiago diz pra mim o que você ouve man =]
Thiago: The Killers.
Amanda: Simples e direto. (risos)
Thiago: Beatles, Arctic Monkeys, Vivendo do Ócio, Sugar Kane, Muse, Beatles, Beatles, Radiohead, Qosa.  (Notaram que ele gosta de Beatles? [risos] )
Amanda: Boa Tiago!!
Guerra: Assino as bandas do Mago. (risos) Esqueci de umas… (mais risos) Mas é isso mesmo.

Amanda: Qual foi o melhor show que vocês já fizeram? Todos tem a mesma opinião ou cada um acha um?
Guerra: Pra mim o melhor show foi o do MAQUINARIA FESTIVAL no final de 2009 com faith no more e muitas outras bandas.
João: Até agora pra mim foi o primeiro desde que entrei na banda!! A energia de novidade foi foda!!
Vinícius: Puts… difícil, vou no MAQUINARIA também.
Thiago: (fora do mapa… again *risos*)

Amanda: Qual a música que a galera geralmente mais pede, mais canta, mais anima e talz?
Guerra: Lá fora.

Amanda: Qual a música de vocês que vocês mais gostam? (risos)
João: Também é ‘Lá fora’.
Amanda: Todos de acordo? (risos)
Vinicíus: Poxa…
Guerra: Humrum
Vinícius: É difícil…
João: Isso isso isso isso isso
Vinícius: Eu curto muito uma música do 1º disco ‘Pois Não’.
Amanda: Tô ouvindo agora ‘Pois Não’…
Guerra: (risos) Clássico do primeiro disco.
Vinícius: Puts, que coincidência.

Amanda: Vocês gravaram um novo clip ‘O que sei’ nee? Como foram as gravações, o clima e tudo o mais do vídeo?
Guerra: Gravamos numa boate de Recife muito Foda! A NOX. Fizemos com o nosso irmão Rafael Kent (Pumuca). Gravamos em um dia e foi bem bacana…Por que foi uma experiência pra todos nós. O primeiro clipe do Rafael que ja está fazendo varios artistas da cena.
Vinícius: Experiência nova* (risos)
Guerra: Exato. (risos)

Amanda: Vamos para um jogo rápido. Eu faço uma pergunta e cada um responde a sua preferência…
Uma música?
Vinícius: Jeremy -Pearl Jam
Tiago: Nude – Radiohead
João: Sweetest Thing – U2
Guerra: Muse – Hysteria

Amanda: Uma banda?
Vinícius: BEATLES.
Guerra: Beatles.
Vinícius: Imitãoooo safado. (risos)
Guerra: Eu não. (risos) O mundo todo.
Vinícius: Pode crer.
Amanda: Mas é clássica e eterna nee gente… Vamo concordar.
Guerra: LÓGICO.
Vinícius: Oh yeahhh!
Tiago: Beatles e Terceira Edição.
Vinícius: (risos)
João: Hoje em dia não tenho banda preferida!! Gosto de muita coisa! Mas uma que eu estou escutando ultimamente é o The Killers.
Amanda: A minha é Medulla nada a ver, mas só falando. (risos)
Vinícius: Curto os caras. Inclusive já dividimos o palco com eles.

Amanda: Um álbum?
Tiago: Revolver – Beatles
Guerra: Ten – Pearl Jam
Vinícius: Blood Sugar Sex Magic – Red Hot
João: Apetite for Destruction – Guns ‘N Roses

Amanda: Cada qual me diz aew, a pessoa que mais admira de acordo com o que você faz na banda saca?
Guerra: John Bonham, baterista do Led Zepelin.
Tiago: Paul McCartney
João: The Edge
Vinícius: Eddie Vedder – Pearl Jam

Amanda: Então vamos para aquela pergunta final que todo mundo sempre quer saber:
Quem na banda tem namorada, é enrolado, casado, engana? (risos)
Vinícius: Eu tenho namorada.
Guerra: Eu tenho namorada…
Vinícius: Só o Mago é solteiro.
Guerra: O Mago é solteiro.
João: Eu sou casado!! Mas o Mago é frango. (risos) Brincadeirinha.
Amanda: Tiago? O que você tem a falar sobre isso?  (risos)
Tiago: Nada, neh, sou gay.
João: (risos a lot)
Amanda: Tiago, eu vou postar isso tá? (risos)
Vinícius: Eita oau.
Tiago: (risos) Segura o processo depois.
Amanda: LOL //medo
Tiago:😉
Amanda: Retire o que você disse, eu tenho que postar na íntegra. Mas a gente sabe que você não é gay. (risos)
Tiago: Neah, não sou gay. Sou o único solteiro, se um dia a banda bombar, vou pegar geral =)
Vinícius: Eita pau!!! Esse é meu magrinho!!!
Amanda: Isso tudo vai ser postado. Até você me jurando processo e dizendo que vai pegar geral. Fique ciente disso e assine o contrato de permissão. (risos)
Vinícius: (risos) Oh yeah!
João: (risos)
Vinícius: Mais perguntas, Amanda?
João: Allright Amandita.
Amanda: Tudo certo, galera. Obrigada pelo tempo e muito sucesso pra vocês aew. *-*
Vinícius: Valeu.
Tiago: A gente que te agradece.

Foi isso aí galera.
Depois teve aquelas despedidas e talz, o de sempre.
Tenho que enfatizar que os meninos do Terceira Edição são SUPER simpáticos.
Me diverti MUITO com eles e fica a dica pra quem quiser ouvir música boa mesmo!

http://www.myspace.com/terceiraedicao

http://www.fotolog.com.br/terceiraedicao

http://twitter.com/terceiraedicao

Quer saber mais? Joga no google. Fui!   =***
@_amandagaldino

Rancore

22 abr

É  sempre assim. Troca um contato, troca uma ideia e a entrevista surge aí pra colocar aqui pra galera que quiser se ligar no som da banda, ou para aqueles que já conhecem, conhecerem um pouco mais.

A banda dessa vez, é o Rancore. Já bem conhecida, com muitas músicas boas e um curriculo de show’s foda, eu conversei com o Teco, o vocal, e deu pra sacar um pouco mais sobre eles e o som deles. Vamo vê o que saiu dessa vez, nee? =]

Bom proveito e bom deleite pra quem curte música boa =]

Da esq. p/ direita:  Ale Iafelice (batera), Caggegi (baixo), Teco Martins (voz), Gustavo Teixeira e Candinho Uba (guitarras e voz).

Teco Martins ^^

A: Amanda
T: Teco

A: Primeira dúvida: Como surgiu a banda?
T: Na escola, eu e o Candinho estudavamos juntos e começamos a nos encontrar depois da aula na casa dele pra compor
e tocar.

A: Faz quanto tempo então que a banda existe?
T: A gente comecou a tocar em 2001, mas o nosso primeiro show foi oficialmente no dia depois do jogo Brasil e Inglaterra durante a copa de 2002 num festival de bandas do colegio pre-médico na lapa.

A: Porque o nome RANCORE? De onde surgiu essa ideia pro nome, e ele tem algum significado?
T: Não tem nenhum significado… No comeco da banda eu tocava guitarra e cantava, o Candinho tocava bateria e outro amigo de escola nosso chamado Renan tocava baixo… Ele que veio com esse nome, disse que tinha sonhado e que ele achava que soava bem por isso devíamos chamar a banda assim… Como não tinhamos nenhuma ideia melhor ficou esse mesmo. (risos)

A: (risos) Como vocês definem o estilo musical de vocês?
T: Definir-se é limitar-se.

A: Nada de rótulos? Hardcore, talvez…?
T: Pode-se dizer que a gente veio do hardcore sem dúvidas, nossas raízes se nutriram muito desse movimento musical/cultural, mas cada vez mais tentamos fugir de rótulos e lugares comuns de nós mesmos.

A: Quais as influências musicais da banda? Tipo, bandas e talz?
T: Nossa são várias, ultimamente temos ouvido bastante At The Drive In o disco Relationship of Command, também muito Nirvana, Fugazi, Fu Manchu, Rancid, Refused, essas são algumas das bandas que todos da banda curtem, mas cada um ouve coisas bem diferentes, eu tô pirando em Fiona Apple.
A: Cara, eu ADORO Fiona Apple!! (risos)
T: Eu também tô pirando demais nela.

A: Tipo, o que vocês usam como inspiração para as composições da banda? E quem geralmente compõe? Apenas você?
T: Poxa a gente usa nossa vida ne, isso é meio obvio de qualquer artista… E de jeito nenhum, não vem só de mim não, na verdade eu sou o último a fazer qualquer coisa normalmente… Pro novo disco o Gulão ou Candinho trazem alguma ideia, a banda faz o instrumental e por último eu coloco a voz e depois a letra, mais ou menos nessa ordem. (risos)

A: Saquei a de vocês. Tipo, o Rancore já fez uns shows massa por aí a fora nee? Por onde vocês já tocaram?
T: Bom, a tour liberta passou pelo Nordeste (Fortaleza, João Pessoa, Natal, Recife) também fomos pro Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Brasilia, interior… A tour liberta contabilizou 103 shows. Santos também, ABC tem uns lugares que os shows estão bem fodas além de São Paulo.

A: Cara, que massa. Muita coisa! Tipo, dessa turnê, qual aquele show que marcou saca? De alguma forma…
T: Há vários… Pra mim o primeiro fechando o Hangar 110 foi foda demais, um momento muito bom… O último em São Bernardo foi bem insano também, Santo André, shows de graça também foram ótimos no Parque da Juventude, pista de skate de São Bernardo… Santos é sempre insano, Curitiba… A tour do Nordeste… Poxa é injusto falar um show só, todos são bons na verdade, tudo é aprendizado… Até o show que é ruim e bom.

A: (risos) A próxima pergunta é de um fã que admira pakas o trabalho de vocês, um amigo considerado meu, Rony. Ele quer saber: Qual música do Rancore você mais gosta? (risos)
T: As novas pro próximo disco, certeza.
A: Ahhh, nem o nomes? (risos)
T: Tem nomes provisórios… Planto, Samba, Jeito livre, Ritual, Exterminio, Infinito, por ai vai. (risos)

A: (risos) O que te de bom de projeto da banda que a gente já possa saber?
T: Acabar essa tour agora ne, dia 1 de maio último show, depois vamos nos internar em estúdio e acabar de compor/ gravar o disco e começar um novo ciclo louco. (risos)

A: A gente consegue notar que aos poucos as bandas nacionais conseguem ir conquistando mais espaço entre a galera e talz, coisa que antes o pessoal sempre falava sobre banda internacional e pans. Pros admiradores de bandas nacionais: o que o Rancore ouve e indica de brasileiro?
T: Poxa todos da banda curtem bastante Planet Hemp.
A: Apenas isso de indicação?
T: (risos) Isso é o que eu sei que todo mundo pira… Eu piro em várias… O que posso dizer também é que tem uma banda nova que pouca gente conhece mas que é INSANA falo de boca cheia e tenho certeza que vai virar muito a banda… Chama-se AMBIENT.
A: Cool, até eu vou dar uma sacada nessa depois da propaganda. (risos)

A: Como é a relação do Rancore com os fãs?
T: Olha a gente nem curte muito essa palavra fã, é meio tabu pra gente, a gente prefere tratar as pessoas como amigos, e fizemos vários amigos que nos conheceram por curtirem a banda… Também não investimos em imagem de idolos porque qualquer idolatria é idiota.

A: Hum, saquei. Mas e a galera? Tipo, pessoal chega e fala de boa, ou tem aqueles que ficam com medo e tratam como ‘Oh Meu Deus’? (risos)
T: Aqueles que tratam assim logo perdem a vergonha e veem que a gente é sussa. (risos)

A: E no show? Tipo, galera canta, agita e talz? E depois? Vocês tiram fotos com o pessoal e talz? Rola de dar autográfo?
T: É bem comum a gente ficar na banca de merch depois para conversar com a galera… Você já foi num show?
A: Não. Eu moro na Paraíba e talz, quando teve em Jampa eu não conhecia a banda. Foram amigos meus daqui, Rony, Jocykleber e Neno que curtem pakas que me apresentaram. Você tem previsão de vim por aqui novamente?
T: Espero que no segundo semestre, a gente curtiu MUITO o show da Paraiba, a galera dai é gente fina demais, espero que logo no começo da próxima tour a gente passe por ai, vontade não falta, sobra.
A: Opa, nós com certeza estaremos lá prestigiando e talz.

A: Qual o maior sonho da banda?
T: Sei lá, agora é fazer um cd bem bom!!!!! Não vemos a hora de ouvir o cd e achar que ele tá foda e que a gente pode dormir em paz, mas sei que quando acabar o cd a gente já vai estar com outra meta que vai nos tirar o sono às vezes, mas normal…

A: Tipo, vocês já tocaram com grandes bandas de renomes e talz? Quais?
T: Strung Out, H2O foram as que mais marcaram.

A: Tem alguma que vocês tem muita vontade de tocar, dividir o palco, talz?
T: Brasileira????
A: Nacional e internacional…
T: Poxa ouvi boatos que iria rolar a tour de volta do Planet a gente iria pirar de tocar com eles… Fazer tour com Nação Zumbi também seria foda (inclusive Nação Zumbi é outra banda que todo mundo do Rancore pira), Charlie Brown seria loco também, tem vários bros que a gente adora tocar juntos também pela camaradagem, Envydust, R.Sigma, Outono em Marte, Galo Darve, Gloria, Sugar Kane.

A: E internacional?
T: Rancid seria bem loco.

A: Na sua opinião, quem foi a pessoa mais importante que já surgiu musicalmente falando?
T: Bob Marley

A: Jogo rápido: Um cantor? (no quesito vocal foda)
T: Steven Tyler.

A: Uma música?
T: Extraordinary Machine – Fiona Apple.

A: Um álbum?
T: Refused – New Shape of Punk.

A: Um show que você viu e foi inesquecível?
T: Arcade Fire, Blind Pigs.

A: Uma frase que você leva sempre consigo?
T: Dream On.

A: Um desejo que te move?
T: Em direção a que?
A; Qualquer um. No caso seria algo como: o seu maior sonho?
T: Voar.

A: *-* Legal!! E vamos então a última pergunta que o pessoal (lê-se as meninas) sempre querem que eu faça no final das entrevistas.
Quem na banda é solteiro/casado/enrolado? Hahahahaha!
T: O único que namora é o Gulão.

A: Então acho que é isso. Deu pra trocar uma ideia legal e deixar a galera com vontade de sacar o som do Rancore. Queria te agradecer Teco, por ceder aí o teu tempo pra gente bater esse papo e mandar aquela vibe de sucesso e bons frutos pro trabalho de vocês. ^^
T: Imagina. Te vejo dia 1?
A: Nada cara, morar longe é tenso. Mas se liga que quando vocês pintarem por aqui, eu com certeza colo lá pra gente beber uma cerveja com a galera. Hahahahahaha!
T: (risos) Beijão!

Pois é galera, foi mais ou menos isso aew a troca de ideia com ele. Abaixo segue aqueles básicos links de sempre pra vocês conhecerem a banda melhor e também um vídeo deles. Fiquem de boa e apreciem a boa música do Rancore!

http://www.myspace.com/rancore

http://www.fotolog.com.br/rancore

http://www.rancore.com.br/

Quer saber mais? Joga no google. Fui!   =***
@_amandagaldino

Outona.

14 abr

Dessa vez a banda que vai nos dar o ar de sua graça e sua música é a banda Outona.
Essa, já mais conhecida entre o público que gosta de rock nacional, veio mostrar um pouco do seu trabalho e seus planos aqui pra vocês.

Eu troquei uma ideia com o vocalista da banda, o Moi6, e deu pra sacar que eles são aquela típica banda pé no chão, que sabe o que quer, se orgulha do que faz e tá aí pra provar que são bons.
A entrevista começou de forma mais cordial e profissional, deu pra ver que o lance deles com a música é mais sério e talz, mas depois sempre vem aquelas perguntas que deixam a gente rindo nee?
Enfim, vamos logo ao que interessa, ver o que o Outuna tem pra gente daqui pra frente nee? Aproveitem!

Essa é a banda! xD
Da esq. p/ dir. Tinho (bateria) – Moi6 (vocal) – Davi (baixo) – Edu (guitarra e vocal)

E esse é o Moi6!! xD

A: Amanda
M: Moi6

A: Bom, primeiramente valeu pela disposição pra vim responder e talz, então vamos começar pelo começo. (risos)
Há quanto tempo o Outona existe?
M: A banda existe a 1 ano e 8 meses, mais ou menos. Graças à Deus desde o começo da nossa trajetória a gente conseguiu muitas coisas, que antes eram apenas sonhos. Tornamos realidade nossos planos com muito trabalho e apoio dos fãs.

A: Em qual estilo musical você diria que a banda de vocês se enquadra?
M: Se fosse pra rotular, o mais coerente seria o Post-Hardcore. Seguimos a linha de bandas como The Used e Story Of The Year. Fazendo um Rock moderno com influências do hardcore, screamo e pop punk. Mas não curtimos esse lance de rótulos e estilos, apenas tocamos as músicas que gostamos de compor.

A: E o que vocês usam como inspiração para as composições da banda?
M: Com certeza tudo que estamos passando e sentindo no momento. Falando da minha parte quando eu componho uma letra uma base no violão penso muito no que tem acontecido na minha vida, e nas coisas ao meu redor. Acho que deve existir muita verdade em uma canção pra que ela se conecte a outras pessoas.

A: Então você é o maior responsável pelas composições?
M: Isso. Todas as musicas da Outona surgiram a partir de uma letra ou uma base que fiz no violão. Depois eu passo pra Edu (Guitarra) ou pra Tinho (Batera) e a gente faz o arranjo das composições.

A: O Outona hoje já é uma banda conhecida. Como foi para vocês se depararem com o reconhecimento e aprovação do público?
M: Foi algo muito bom, porque todo artista quer ter seu trabalho reconhecido, e quando tivemos isso ficamos super felizes em saber que todo nosso esforço estava sendo reconhecido. A primeira experiencia desse tipo que tivemos foi quando abrimos o show de Fresno, aqui em João Pessoa.

A: Vocês lançaram o clip ‘Corri’ oficialmente na MTV. Acredito eu que o reconhecimento e conhecimento da banda tenha aumentado depois disso. Você acredita que a mídia ajudou de certa forma o crescimento do Outona?
M: Com certeza. Ter nosso clipe na MTV foi um sonho realizado, depois disso com certeza o reconhecimento aumentou bastante. Acredito que as midias estão aí pra isso, pra ajudar os artistas a expandirem seus horizontes. Não só TV, mas como Jornal, Radio, e etc.. Já saimos em varias materias nos Jornais mais importantes do Estado, e isso ajuda muito.

A: Concordo que a mídia ajude de certa forma, mas você não acha que as pessoas dão importância demais a ela? Por exemplo: Você não acha que há um certo tipo de alienação por parte dessa, onde a maioria das pessoas aprende a gostar de uma coisa apenas por estar na mídia?
M: Ah sim, tudo tem seu lado bom e ruim. As vezes acontece essa alienação sim, mas acredito que se o artista souber direcionar seu trabalho ao publico certo, vai obter um otimo resultado.

A: Hoje o Outona já tem aquelas fãs histéricas que cantam e gritam que amam vocês? (risos) Como é lidar com isso?
M: Temos sim.(risos) A gente lida da melhor forma, sempre queremos atender todo mundo que está ali demonstrando um carinho imenso por nós.

A: Com quais bandas de renome o Outona já tocou?
M: Abrimos o show de Rancore, Fresno (2 vezes: Uma em João Pessoa e uma em Fortaleza), Pitty, e a americana Anberlin. Essa última foi um grande sonho realizado, principalmente pra mim, pois sou fã da banda há mais de 5 anos e ter tocado no mesmo evento que eles, e ter visto o show de perto, tirado foto, foi muito bom.

A: Então, você diria que o melhor show que vocês fizeram foi o com o Anberlim?
M: Não, nosso melhor show foi um que fizemos na praia de Tambaú, em João Pessoa. Tocamos pra mais de 5 mil pessoas, e nossos fãs representaram muito, comparecendo ao show, cantaram as músicas, gritaram.. Enfim, fizeram tudo ter sentido. Foi emocionante.

A: E o pior? (risos)
M: No começo da banda a gente tocou em algumas “furadas”, som ruim, público desinteressado. Acho que o pior foi um que fizemos em Cabedelo, num teatro, pra +- umas 10 pessoas.

A: Caralho, que tenso. (risos)
Você como vocalista, tem algum tipo de ‘muso inspirador’? (risos) Aquele tipo de cara que você admira como vocalista e que queria ter uma experiência de cantar junto e talz?
M: Ah com certeza, mas tira essa parte do muso que fica estranho. (risos). Tem muitas bandas e vocalistas que eu admiro muito, tanto como pessoa e como artista. Minhas maiores influencias são Bert (The Used), Brandon (Incubus) e Frank Sinatra.

A: Foda!!(risos) Vocês já passaram por alguma situação tensa ou complicada com algum [a] fã?
M: Nunca passamos por uma situação tensa não. Até agora nossa relação com a galera é muito amigável.

A: As meninas dão muito em cima e talz? (risos)
M: Dão sim. (risos)

A: E como vocês lidam com isso?  //curiosa *0* (risos)
M: A gente lida muito bem, todos na banda estão solteiros. Menos nosso guitarrista, Edu.

A: Bem, anunciando que todos na banda estão solteiros, menos o Edu, você acaba de cortar a última pergunta que eu ia fazer. (risos) Vou ter que pensar em outra. xD
M: Qual era? (risos)
A: Não. É que no final eu sempre pergunto quem na banda tem namorada pra cortar o coração das fãs logo. (risos)
M: (risos) Saquei.

A: Bora continuar. A banda já passou por alguma situação cómica ou que marcou de alguma forma?
M: Já, várias.. Sempre rola alguma quando a gente viaja. Algo inusitado na estrada, quase mortes, e coisas do tipo. (risos) O rock é doido… Não é todo mundo que aguenta a loucura de uma turnê.
A: Ahhh, cita pra gente uma situação daquelas tipo… inesquecíveis😉
M: Inesquecivel foi um caso que passamos na estrada, na volta do show em Fortaleza, quando o motorista da nossa van disse que tinha uma nave seguindo a gente. (risos)
A: (risos) Lembrem de na próxima vez não dividirem a bebida com ele.
M: Ele nem bebeu, imagina se tivesse.
A: (risos) Nee? xD

A: Como surgiu a ideia do nome Outona?
M: Surgiu “do nada” na minha mente, quando eu tava em busca de um nome pra banda. Gostei da sonoridade e anotei pra não esquecer, depois mostrei uma lista de nomes pra Edu, e decidimos Outona.
A: Então não tem nenhum significado em especial e talz?
M: Tem sim… O signficado vem de outono mesmo, que é o periodo de tempo onde tudo se renova, e tbm o tempo de colher os frutos de um trabalho.
A: Hum… legal. ^^

A: Você já passou por aquela situação de tá andando na rua e ser parado por fãs pedindo autográfo e foto, essas paradas?
M: Já sim. Algumas vezes, no shopping tal.. é inusitado, mas é muito bom.

A: Já tem algum plano futuro da banda que possa ser divulgado e talz? Algo que vocês tenham em mente e estejam trabalhando ou preparando de novidade?
M: Sim.. Atualmente estamos gravando nosso novo EP. Estamos super empolgados com as gravações e as músicas novas, estamos em uma nova fase, as musicas estao um pouco diferente, mais maduras, mas com a nossa essência. Estamos muito afim de lançar esse trabalho pra galera e tocar muito. Tem outra novidade, mas é segredo. (risos)
A: Ah claro, sempre há os segredos.(risos) A galera fica na espera então.

A: Acho que é mais ou menos isso aew, tem algum recado que você queira deixar para os fãs da banda? (Já que minha pergunta final foi cortada. (risos) )
M: Quero deixar um muito obrigado do tamanho do mundo pra toda galera que nos acompanha fielmente nos shows, promoções, votações… São vocês que fazem todo esforço valer a pena, e dao sentido a tudo.
A: Ah valeus pelo tempo aí,  e espero que a banda cresça mais e mais. Sucesso pra vocês! ^^
M: Brigado você, Amanda. Espero que seu blog cresça muito também.
A: Brigadão ^^
Precisando, estamos aqui ^^

Bom galera, é aquilo. Espero que tenham gostado, se liguem no som dos meninos e vamo botar pra frente aew.
Onde achar:
Myspace: http://www.myspace.com/bandaoutona
Fotolog: http://www.fotolog.com/bandaoutona

E pra curtir especialmente, vou deixar o vídeo do clip CORRI, fica a dica😉

Quer saber mais? Joga no google. Fui!   =***
@_amandagaldino

Roleplay

12 abr

Dando sequência a ideia de ser jornalista/repórter -q eu fui atrás de fazer outra entrevista.
Dessa vez eu fui atrás da banda Roleplay. Um banda de Florianópolis composta por 5 amigos com sonhos e ideiais em comum.
Minha conversa dessa vez, foi com o vocalista, o Beppz. Então vamos fazer naquele esquema. Eu posto a entrevista e lá no final, deixo o link pra vocês darem aquela sacada, de boa? =]

Vamos então pra foto da Roleplay, saquem o visu dos garotos😉

Da esq. p/ dir. Oda [baixo], Edu [guitarra] Beppz[vocal] Tutinho[guitarra] Guima [batera]

E a seguir, a foto do Beepz nee?  O entrevistado da vez😉

Esse aew é o Beppz😉

Vamos então a entrevista nee? xD
Regada a brincadeiras, mas com seus momentos sérios, a entrevista mostrou que o Beppz apesar de ‘pouca’ idade sabe muito bem o que quer, e a banda tá chegando aí  com o intuito de ficar. Vamos ver o que a Roleplay tem pra mostrar então😉

A: Amanda
B: Beppz

A: Como surgiu a ideia de formar uma banda?
B: Acho que todos os integrantes sonhavam em ter uma banda, desde a primeria formação, então eu resolvi tomar a iniciativa e juntar nãoo só pessoas conhecidas mas sim amigos com gostos e estilos semelhantes e a gente foi tocando tocando e deu super certo (:

A: Em qual perfil musical você acha que se enquadra o som da Roleplay? Tipo, falo sobre estilos…
B: Acho que as novas músicas da Roleplay está mesclando bastante o hardrock com o powerpop, mistura a distorção da guitarra e as batidas pesadas da bateria com um ritmo novo e animado.

A: Qual a idade dos integrantes da banda?
B: Beppz [vocal]: 15
Edu [guitarra]: 17
Oda [baixo]: 19
Augusto [guitarra]: 16
Guima [bateria]: 15
acho que é isso
hahah :
(:
a banda está com nova formação

A: Mas no caso, essa citada acima, é a formação de agora né?
B: Siim sim ((:

A: Todos os integrantes são relativamente novos, e tudo mais. Você acha que de alguma forma isso dificulta o reconhecimento? Há algum tipo de preconceito por parte das pessoas acreditarem que vocês são ‘crianças’ demais para fazer música de qualidade?
B: Eu acho que toda a banda que está começando tem suas dificuldades, seja com preconceito de estilo quanto para com a idade, mas confesso que o que menos sentimos é sobre a idade, hoje em dia a galera não pensa muito nisso e mais na qualidade do som.

A: Quais são as influências musicais da banda?
B: Estamos tendo bastante influência de diversas bandas, principalmente brasileiras como, Replace, Strike, Restart, NX Zero que tocam coisas mais divertidas. Mas bandas internacionais como Blink182, Green Day nos ajudaram muitoo, principalmente no comecinhoooo da banda.

A: De onde surgiu o apelido Beppz?
B: Meu nome é Giuseppe Guimarães Fontanella o apelido “Beppe” é natural sabe.. e os dias passaram eu mudei e resolvi “estilizar” o meu apelido botando no meu twitter “bepp_z” daii pegou, agora me chamam assim. hahaha! Até meu irmão o_o (risos)

A: Vocês já passaram por aquela situação das pessoas acharem que vocês são gays pelo estilo de vestir-se ou estilo musical? Porque hoje em dia toda banda desse estilo passa por isso -.-”
B: Acho que TODA banda já passou por isso, seja pelo simples fato de se vestir ou até por uma foto abraçando um amigo. Mas já aconteceu sim, eu e o Augusto nós somos quase irmãos sabe, dai a gente anda sempre junto, se mete em cada roubada juntos e tals e um dia na escola perguntaram se a gente era gay, nossa caimoooss no bode de risoo né? Mas acho que o preconceito da banda todaa em si não, por que.. sei la somos muito ecleticos.. Eu por exemplo AMO reggea e pagode, tanto que na nova musica mistura rock e reggea ((:

A: Então, você se considera uma pessoa eclética… Hoje, que bandas são as suas preferidas?
B: Agora enquanto dou a entrevista estou ouvindo Strike, mas acho que, as preferidas.. nossa pergunta dificil, tenho 20 gb de musicas, as que estão digamos assim na playlist são Replace, Strike, Hinder, Creed, Hóri, Jason M’raz e Tulio Dek. Não que essas sejam as minhas preferidas por que, sinceramente, é quase impossivel escolher as PREFERIDAS mas digamos que são as que eu mais estou ouvindo. ((:

A: Você prefere música nacional ou internacional?
B: Acho que depende muito sabe algumas bandas gringas estão explodindo mas confesso que eu prefiro apostar nas novas bandas nacionais, que por minimo que seja ainda sofrem um preconceito maior e tals.

A: Falando agora sobre a banda: Quantas músicas vocês já lançaram?
B:  Gravadas mesmo 1, estamos com 3 músicas proprias, 2 já apresentadas para o público e uma apresentada de maneira acústica.

A:  Como foi a ideia do nome ROLEPLAY?
B:  Em uma bela tarde de sol estava eu no meu querido e amado computador conversando com uma amiga minha sobre bandas e etc, e eu contei um fato pra ela que aconteceu comigo e com o meu amigo, e ela falou “Nossa que ROLEPLAY!” e eu “hã?”.. e ela me explicou que roleplay era uma giria que usava-se em sampa que significava “Zica, confusão, problema” sabe? E eu, poow ta ai, depois de todos os perrengues enfrentados pela banda, tem nome melhor?
A: Hum, gostei =] Legal mesmo!
B: Rere (: Brigado

A: Mas responde aí aquela pergunta que TODAS as meninas vão querer saber no final da entrevista… Quem na banda tem namorada? Quem tá sozinho? Quem tá procurando alguém? (risos)
B: Hahah (: bom, o Edu é o unico que ta namorando… o resto da galera ta solteira, nao sei quanto ao Guima mas ele aparentemente tadiboas! (:

A: Ué, aproveitando a deixa, a banda já tem muita fã? Muito assédio Beppz? (risos)
B:Hhahah, ah meo, pra gente que tá começando, fãs fãs, sei lá não sei, não acredito que sejam muitas mas a galera curte e também eu não levo muito a galera como fã sabe, eu dou meu msn, aceito no orkut e mantenho contato mesmo sabe.. o máximo possivel, gosto muito do carinho que as pessoas tem para com a banda e comigo.
A:  Ahhh, então vou publicar msn, twitter, orkut e todos os perfis do Beppz na net pras meninas. (risos) Olha a responsa Beppz. xDD
B: (risos) Pode… (mais risos) Ssei la.. eu mantenho mesmo o contato. (:  Só as pessoas tem que entender que eu tenho vida e responsabilidades.. Então… Se eu der tipo um “já volto” é realmente porque eu to meio ocupado.
A: As meninas vão entender o recado. (risos) //eu espero. Então é isso Beppz. Muito obrigada pela conversa aí, tava até com saudades de trocar uma ideia contigo. ;)   Espero que a galera se ligue na entrevista e no som, e desejo muito sucesso pra banda. =]
B: Ownz brigadoo e muitoo sucesso pra o blog, pois é né, fazia tempo que a gente nao trocava uma ideia ((: hahah **:

Foi mais ou menos isso aí, como eu já tinha dito na entrevista da Regina, sempre tem uma coisa ou outra que fica guardada nee? Privelégios de amiga😉 USHUASHAUSHAUSAH’
Abaixo eu vou deixar os links nee? Pra vocês sacarem o som dos meninos xD

Espero que vocês tenham curtido e se liguem na música dos meninos. Beijos e até mais galera xD

Myspace: http://www.myspace.com/roleplayrock
Comunidade da banda no orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=84171513
Twitter da banda: http://twitter.com/roleplayoficial

E um vídeo caseiro da banda pra quem quiser dar uma sacada:

Quer saber mais? Joga no google. Fui!   =***
@_amandagaldino

Banda Regina

10 abr

Depois de tantos perfis que eu tenho na internet. Eu resolvi fazer esse. O nome ‘Vocações’ surgiu numa brincadeira no msn, igualmente esse primeiro post de hoje.
O fato é que gosto de MUITAS coisas e muita gente diz que tenho talento pra essas coisas, então, sou multi-funcional, ou como diz minha amiga @Acssa, sou  HP. Hahahaha!
Enfim, de brincadeira vai, brincadeira vem, uma das coisas que eu gosto muito de fazer é bancar a repórter. Numa conversa amigável com o Cunico, surgiu a ideia do blog e de fazer da entrevista dele, o meu primeiro post nesse blog.

Explicando melhor: o Cunico é o guitarrista de uma banda legal que tá surgindo aí no mundo musical. Resolvi fazer umas perguntas sobre música pra ele, sobre as opiniões e concepções dele, e também sobre o que a Regina tem em mente e todas essas paradas que a gente sempre quer saber das bandas.

Vamos primeiro colocar uma foto da banda então né?

Da esq. p/ dir. Cunico (guitarra), Free (batera), Jeffe (vocal), Mauricio (guitarra) e Pedro (baixo)

Então, agora eu vou colocar a minha rápida entrevista com o Cunico pra ver o que ele tem em mente sobre música.
Espero que vocês curtam😉

Esse é o Cunico😉

A = Amanda
C = Cunico

A:  Como vocês definem o estilo de Regina?
C:  Acho que a gente não procura se apegar a estilos. (risos)

A: O correto é dizer do Regina, ou da Regina ao se referir a banda?
C: Da, da. Certeza. É um nome feminino ;D

A: Quem compõe as músicas da Regina?
C:  Eu basicamente, o Pedro faz bastante letra, e o que eu consigo aproveitar eu uso, ele é bom pra isso.

A: O que vocês da Regina usam como base de inspiração pra suas composições?
C: Cara, eu uso bastante as merdas que acontecem comigo, geralmente é pra dar na cara de alguma guria que na real é uma só ;x

A: Quais as influências musicais da banda?
C: Putz, nem sei direito. Eu tinha uma banda de metal antes com o Free, o Pedro ouvia bastante rock classico e uns emo mesmo, o Maure curte bastante coisa, não sei te dizer.

A: A melhor banda nacional na sua opinião? (não vale dizer a Regina ha!)
C: A gente nem é, e se for vai demorar. Cara, não sei. (risos) Eu respeito o Angra, Los Hermanos, Engenheiros do Hawaii. Coisa muito variada, e acho massa a ideia do som do Glória também.

A: Qual o nome do primeiro cd da banda? Ha!
C: Uhhhhh. Botei fé na pergunta, nunca parei pra pensar nisso. Vai ser algo com desilusao amorosa, certeza! (risos)

A: O que você acha de ver a Regina sendo comparada como ‘apenas mais uma bandinha emo’?
C: Nossa, ninguém disse isso ainda, mas se compararem tudo bem, as pessoas tão sempre rotulando mesmo.

A: Você considera o som da Regina emo?
C: O que é emo?
A: Quem faz as perguntas aqui sou eu. (risos) Acho que se enquadria no perfil emo na visão das pessoas ultimamente, carinhas com cabelo na cara, bonitinhos que cantam sobre amores e dor de cotovelo.
C: Cara, sempre cantaram sobre amores em todos os estilos e acho que a roupa não diz nada sobre o carater de alguém,
mas se disserem que a gente é emo tudo bem.

A: Hummmm. Você como guitarrista, pode dizer que sofre influência de quais guitarristas famosos? Ou quais você admira…?
C: Nossa, Zakk Wilde, Paul Gilbert, e pra citar nacionais a dupla Rafel e Kiko do Angra ;D

A: Se você pudesse por um dia, ser qualquer outro músico, de qualquer banda, em qualquer época, quem você seria? E porque?
C: Fácil! Jimmy Hendrix no Woodstock em 69.

A: Se a Regina pudesse escolher uma banda pra dividir o palco, que banda seria?
C: A Regina eu não sei, mas eu gostaria de tocar com o Iron Maiden. (risos)

A: Mídia = Lavagem cerebral? Você acha que a mídia influencia no que as pessoas vão ouvir/gostar? Acha que a mídia vende seu produto tão bem a ponto de conseguir de certa forma ‘controlar’ a mente daqueles que acompanham a mesma?
C: Já virou um debate filosofico isso aqui! Eu acho as novelas ja fizeram sim a cabeça de muita molecada fraca ;D

A: No quesito musical: Você acha que com o passar dos anos a qualidade musical foi decaindo? Acredita que o rock de hoje em dia entro em colapso e na maioria dos casos certas bandas nem podem ser consideradas rock?
C: O rock nunca morreu, ele só encontra cada vez mais outros caminhos pra se manifestar, seja com mais ou menos guitarra, o que acontece é que bandas como Led Zeppelin e Deep Purple não se preocupavam com o “formato” das músicas, eles eram simplesmente o que eram. E hoje eu vejo muita cópia em cima de cópia entende? Acho que o rock tem se autoplagiado ultimamente. Apesar que sempre aparece uma outra banda nova que surpreende.

A: Hum, se você pudesse eliminar HOJE uma banda/cantor [a] que existe/existiu,  quem você retiraria do mundo musical? (Saiba que isso será publicado ha!)
C: Não faria isso com ninguém. Sabe-se lá qual a razão do cara ao criar eguinha pocotó, quem sabe ele realmente quis expressar algum sentimento com essa música… hehehe. Não dá pra julgar ninguém né?

A: Jogo rápido: Uma música?
C: Jeff Buckley – Hallelujah

A: Uma banda?
C: Sem ser chavão, mas já sendo eu fico com Beatles.

A: Um guitarrista?
C: Um só não vale. (risos)
A: Sim, apenas um😉
C: Eric Clapton, por ter a importância que teve e ainda hoje continuar fazendo músicas de valor.

A: E a pergunta final pras meninas possíveis fãs que com certeza vão querer saber disso: Quem na banda tem namorada e quem não tem? HA! xD
C: Essa é uma pergunta muito importante! HAHAHA. Que eu saiba todo mundo é solteiro. Mas acho que o Jeffe tá atrás de companhia, então as interessada podem seguir ele pelo twitter ou adicionar no orkut também. Isso é com vocês dae… ;D

Então, foi mais ou menos assim. Uma conversa regada de simpatia e risadas. Claro que teve coisas que não estão aqui, exclusividade de amiga é outra coisa nee? HSUASUHASUAH
Mas abaixo eu vou deixar os links de formas de entrar em contato com os caras, inclusive o twitter deles.

Twitter do Pedro (baixo): http://www.twitter.com/hypocrisyfucker
Twitter do Cunico (guitarra-entrevista): http://www.twitter.com/ricardocunico
Twitter do Jeffe (vocal -atrás de companhia UHSUSUAHSAU’) : http://twitter.com/jeffersheckler
Twitter do Free (batera): http://twitter.com/attentiondanger
Twitter do Mauricio (guitarra): http://twitter.com/MauricioVGomes

Perfil da banda no orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=8938000477386767033
Comunidade da banda no orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=98499531

E pra quem quiser dar uma sacada no primeiro single dos meninos, fica o link:
http://www.purevolume.com/bandaregina

E fica aí o vídeo dos meninos =]

Espero que vocês tenham gostado da entrevista e corram pra conferir o som da banda Regina.

É isso aí, e até a próxima😉
“Pegue os dados e aperte-os com fé…(8)”

Quer saber mais? Joga no google. Fui!   =***
@_amandagaldino